Professores e orientadores também querem plano de saúde

30/11/2013

Nesta semana a crise política gerada pelo Governo do Distrito Federal por causa do não pagamento do plano de saúde que atende os integrantes da Polícia Militar provocou reações também entre os os professores e orientadores da Carreira do Magistério Público do DF. Nas escolas o que mais se ouviu foi a seguinte pergunta: se a Polícia Militar oferece plano de saúde para os seus servidores, por que a Secretaria de Educação não?

Como todos sabem, a proporção de doentes na Carreira do Magistério Público do DF é uma das maiores entre todas as categorias do GDF. Também é de conhecimento público que o atual e os governos anteriores firmaram o compromisso de implantar um plano de saúde para a categoria e até o momento pouco foi feito. É verdade que não podemos deixar de citar o auxílio saúde de R$ 200,00 conquistados no Governo Agnelo, após muita luta. Este valor, porém, não garante o pagamento de um plano de saúde básico para mais de 5% da categoria.

Somos solidários aos policiais militares e reforçamos a luta para que o Governo normalize imediatamente o plano de saúde deles. Mas penso que chegou a hora de focarmos nesta questão e exigirmos do Governo uma política efetiva de assistência à saúde dos professores e orientadores da Rede Pública de Ensino do DF.

Promessa é dívida sim e está na hora do Governador avançar na proposta que firmou no período eleitoral de 2010. Plano de saúde já!

.

Washington Dourado


Descubra os segredos das escolas públicas mais bem colocadas no Enem

30/11/2013

Ensino integral, dedicação de professores e parcerias são as explicações para a performance das melhores escolas da rede do governo no Distrito Federal no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio

A estrutura de cimento, as carteiras de madeira, os quadros pendurados na parede são os mesmos. O que muda em algumas escolas da rede pública de ensino são os resultados. Fruto do empenho da equipe gestora, dos professores em sala de aula e da busca por projetos mais atrativos, algumas instituições conquistaram um bom desempenho no ranking elaborado a partir da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizada em 2012. Desconsiderados os colégios militares, que têm apoio estadual e federal, o Centro de Ensino Médio Integrado de Educação Profissional do Gama mantém, por dois anos, a primeira colocação entre as públicas vinculadas diretamente à Secretaria de Educação.

A média conquistada a partir da soma das provas objetivas chega a 543.54, quase 50 pontos a menos do que o Colégio Militar Dom Pedro II. Porém, à frente de todas as outras regidas pelo governo do DF. O segredo para galgar posições está na educação integral e na proximidade entre professores e alunos. “Atribuo a nota a muito trabalho, muita dedicação e muitos cabelos brancos”, afirma o vice-diretor, Luís Cláudio Sales Morais. Segundo ele, diversos docentes chegam a ficar na instituição de ensino após o horário para conseguir alcançar todas as metas traçadas no início do ano.

CLIQUE AQUI e leia mais


SEDF institui grupo para elaborar projeto de Ciências

29/11/2013

Foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feria a portaria Nº 265, que institui “Grupo de Trabalho para elaborar e apresentar proposta pedagógica de Ciências da Secretaria de Educação para toda Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, visando atender às demandas do ensino nesta área“.

Esta é uma boa discussão, mas será que o professores da área serão convidado para participar deste debate também? Será que teremos novas soluções mágicas para o estudo das Ciências ou finalmente teremos um amplo projeto construídos a partir das experiências desenvolvidas nas escolas?

Leia a portaria:

PORTARIA Nº 265, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2013. (*)
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das suas atribuições previstas na Lei Orgânica do Distrito Federal, no seu art. 105 e ainda, no artigo 172 do Regimento Interno, aprovado pelo Decreto nº 31.195 de 21 de dezembro de 2009, RESOLVE:
Art. 1º Instituir Grupo de Trabalho para elaborar e apresentar proposta pedagógica de Ciências da Secretaria de Educação para toda Rede Pública de Ensino do Distrito Federal, visando atender às demandas do ensino nesta área.
Art. 2º A composição do Grupo de Trabalho contará com os seguintes membros: Ana Karina Braga Isac, matrícula 212.650-8, da Coordenação de Ensino Fundamental, Rosana César de Arruda Fernandes, matrícula 62.620-1, da Coordenação de Ensino Fundamental, Cristhian Spindola Ferreira, matrícula 202.999-5, da Coordenação de Ensino Médio, Renato Domingos Bertolino, matrícula nº 38.941-2, da Coordenação de Ensino Médio, Cátia Candido da Silva, matrícula 31.280-0, da Coordenação de Educação Infantil, Jeovany Machado dos Anjos, matrícula 35.469-4, da Coordenação de Educação Integral, Enilvia Rocha Morato Soares, matrícula 61.965-5, da Subsecretaria de Educação Básica, Guilherme Pamplona Beltrão Luna, matrícula nº 176.017-3, da Subsecretaria de Educação Básica, Vinícius Ricardo de Souza, matrícula 205.924-X, da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação, Juliana Alves Araujo Bottechia, matrícula 206.022-1, da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação, Iris Almeida dos Santos, matrícula 39.807-1, da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação, Jairo Gonçalves Carlos, matrícula nº 205.617-8, da Coordenação de Educação de Jovens e Adultos, Maria Aparecida Silva Prado, matrícula nº 37.383-4, da Coordenação de Ensino Fundamental.
Art.3º A Coordenação dos trabalhos ficará sob a responsabilidade do primeiro membro.
Art.4º O resultado final do trabalho deverá ser encaminhado à Subsecretaria de Educação Básica, para análise e remessa ao Conselho de Educação do Distrito Federal, no prazo de até 90 dias após a publicação.
Art.5º. Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCELO AGUIAR


Reclamou… a merenda chegou!

29/11/2013

 

Nesta semana vocês acompanharam aqui a polêmica denuncia da falta de merenda numa escola de São Sebastião (Racionamento nas escolas públicas do DF?). Pois bem, já deram um jeito de resolver a situação. A foto aí em cima mostra o entregador chegando na manhã de hoje com um novo estoque para encher a dispensa da escola.

É isso! Mandou a reclamação, saiu no blog, a imprensa foi em cima, logo a situação foi resolvida. E quem tiver mais reclamações é só enviar para o email do blog. Mande fotos, vídeos, relatos. Vamos cobrar do Governo solução para os problemas da educação pública. Essa é a obrigação de todos!

OBSERVAÇÃO: 

E já mando um recado: se tiver pressão em cima da escola ou de quem mandou a foto, pode ficar certo, vou publicar aqui no nome completo de quem não faz sua parte e ainda fica com raiva de quem reclama. 

.

Washington Dourado

 


Servidores públicos já devem R$ 135,2 bilhões aos bancos por empréstimo

29/11/2013

fonte: Correio Braziliense

Os servidores públicos já devem R$ 135,2 bilhões aos bancos por meio de empréstimos consignados, volume 7,5 vezes maior que os débitos de trabalhadores da iniciativa privada, segundo o Banco Central. O montante é duas vezes superior à fatura de R$ 65,7 bilhões que os beneficiários da Previdência têm pendurada com as instituições financeiras, na mesma modalidade de crédito. No acumulado do ano, os recursos a serem descontados na folha de pagamento do setor público cresceram 16,5%, acima dos 12% do total geral das operações.

Os dados surpreendem, uma vez que a soma de servidores estatutários e militares no país, conforme pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), chega a 6,9 milhões de pessoas ante 46,6 milhões de trabalhadores do setor privado e 27,7 milhões de segurados da Previdência. Dois fatores ajudam a explicar o forte endividamento do funcionalismo público: a estabilidade no emprego e o salário maior. Em setembro, a renda média dos servidores foi de R$ 3,2 mil, 84,5% acima da registrada entre os profissionais do setor privado com carteira assinada, de R$ 1,7 mil.

CLIQUE AQUI e leia mais


Racionamento nas escolas públicas do DF?

28/11/2013

 

1 – A foto aí em cima é da merenda escolar servida numa escola pública de São Sebastião nesta semana: um copo de leite e mais nada.

2 – O sistema de contratação de professor temporário está bloqueado e muitas escolas não conseguem contratar substitutos.

3 – As escolas públicas do DF não receberam os recursos do PDAF neste ano. Muitas estão passando por situações constrangedoras como a falta de material e as cobranças por parte das papelarias e outros fornecedores.

O que está acontecendo? Há uma crise financeira na Secretaria de Educação? Alguém tem que dar uma explicação urgentemente! Nossos alunos, professores, orientadores, servidores da assistência não merecem passar por uma situação dessas. O GDF nunca arrecadou tanto, nunca recebeu tanto dinheiro do Governo Federal.

.

Washington Dourado


ENEM: escola pública X escola privada no DF

26/11/2013

Novamente o INEP divulga o resultado do Enem e mais uma vez a mídia e alguns “especialistas” promovem a ridícula comparação entre os “tops” das escolas particulares e as escolas públicas. Claro, sempre reforçando a ideia de que aquelas são melhores que estas.

Mas, espere aí! Analisando bem os números e comparando com a realidade enfrentada por cada segmento da educação podemos chegar a outra conclusão: as escolas particulares realmente não são tão boas assim. Explico:

1 – Aqui no DF, excluindo as escolas militares, o resultado das escolas públicas foi mais ou menos 100 ponto menor que das escolas particulares.

2 – Acontece que as 10 “tops” do setor privado cobram mensalidade exorbitantes, selecionam de forma direta ou indireta seus alunos, fazem verdadeiros cursinhos durante o ano e mesmo assim não passam de uma nota mediana.

3 – Enquanto isso nas escolas públicas encontramos salas com alunos em diversos níveis de aprendizagem, não há pré-seleção da clientela, não há um foco específico na aprovação no Enem, promovem a inclusão de alunos deficientes (coisa que a particular não faz), atendem as camadas mais pobres da sociedade, enfrentam diversos tipos de problemas e escassez de recursos e mesmo assim obtêm uma nota não tão longe das “tops” particulares.

4 – Então, qual é a escola melhor mesmo? Será que as escolas particulares são tão boas como a mídia fala? Será que a escola pública é tão ruim como é divulgado?

5 – O que aconteceria se o Galois atendessem alunos como os da escola pública? Qual o resultado alcançaria os professores das escolas públicas se trabalhassem com os alunos selecionados das grandes escolas privadas?

 Óbvio que não estou aqui querendo “dourar a pílula” de ninguém, mas se eu fosse pai de aluno das escolas “tops” do ensino privado cobraria mais, pois pagam caro e o resultado não chega nem a ser tão bom como dizem na TV.

Enquanto isso, penso que deveríamos analisar melhor qual seria o papel da escola pública e como estabelecer critérios mais justos para a avaliação dos seus resultados, sempre de olho no seu papel social, não apenas no quadro comparativo divulgado pela imprensa e donos de empresas.

Vejam um quadro publicado pelo Correio Braziliense:

Os melhores colégios particulares

Classificação Escolas privadas Média geral da prova objetiva Média da redação
Galois 654.86 712.81
Pódion 645.66 628.39
Sigma Asa Norte 645.54 680.08
Sigma Asa Sul 641.77 677.04
Sagrado Coração d Maria 625.7 720.32
Leonardo da Vinci Taguatinga 624.67 703.22
Candanguinho 622.38 580.00
Leonardo da Vinci Asa Norte 619.46 708.61
Leonardo da Vinci Asa Sul 614.92 714.51
10ª Colégio Marista de Brasília 612.69 680.86

Os melhores colégios públicos

Classificação Escolas públicas Média geral da prova objetiva Média da redação
Colégio Militar de Brasília 610.23 642.86
Colégio Militar Dom Pedro II 592.91 629.78
CEM Integrado a Educação Profissional do Gama 543.54 565.69
CEM Setor Oeste 533.59 566.98
CEM Taguatinga Norte 530.42 581.51
CEM Asa Norte (CEAN) 529.37 558.62
Instituto Federal de Brasília – Campus Planaltina 524.44 527.39
CED 03 do Guará 523.57 518.70
CEM Setor Leste 514.59 547.52
10ª CEM Ave Branca 510.73 540.04

.

Washington Dourado


%d blogueiros gostam disto: